Álvaro Coronel, Proyecto Sindical Regional FES – Uruguay, invita a la CREAT 2018

Durante la Tercera Conferencia Regional de la CSA sobre Energía, Ambiente y Trabajo “vamos a cristalizar muchos años de cooperación del movimiento social sobre medio ambiente y trabajo”, dice Álvaro Coronel, representante del Proyecto Sindical Regional FES – Uruguay.
“Queremos tener una clara conceptualización sobre la democracia energética y la transición justa, para resistir unidos ante las transnacionales de la energía”.

 

Fuente: https://www.facebook.com/ConferenciaRegionalEAT/videos/325109838240267/

 

COPINH: Berta Caceres Murder Trial Suspended In Face of Violations to Due Process by the Court

(Español) The trial of eight men accused of being the material authors of the murder of Berta Caceres, indigenous leader and human rights defender, was scheduled to start at 9am on Monday, September 17. Earlier that morning, however, representatives of the family and the Civic Council of Popular and Indigenous Organizations of Honduras (COPINH) filed a motion to recuse the three judge panel – Tribunal 1 of the Trial Court with National Competence in Criminal Matters – from hearing the case. This motion lead to the trial being suspended until a decision regarding the recusal is made by the Appellate Court.

Tegucigalpa, September 19, 2018

In the small courtroom packed with family members, representatives of Indigenous communities, the diplomatic corps, national and international organizations and international observers, the three judge panel presiding over the trial for the murder of Berta Caceres, which was supposed to open the trial at 9am, first proceeded with an evidentiary hearing in another, unrelated case. After finishing that hearing, and running three hours late, the Tribunal opened the trial announcing it had received the motion for recusal presented by the lawyers of the victims earlier that morning. As a result, they suspended the trial until a decision is made by their superiors, the Appellate Court.

The motion for recusal is based on two complaints filed by the lawyers for the victims – Berta’s three daughters and son as well as her mother – for the crimes of abuse of authority, concealment, violation of their responsibilities as public functionaries and denying justice (see complaints here, in Spanish Denuncia TS. Bertha-Laura).

For close to a year, the lawyers for the victims have been denouncing the disobedience of the Public Prosecutors by refusing to hand over relevant information to guarantee the rights of all parties. The recusal is based on the fact that despite this and various complaints, the Court has refused to act in this matter. On repeated occasions, the legal representatives of Berta’s family have explicitly asked for information, which the the Special Prosecutor handling the case disobeyed, resulting in no sanction by the Court.

“Since January 2018, two judicial order have not been complied with, denying our access to fundamental information. This not only impacts the victims, but also harms the accused and denies the necessary conditions to proceed with the trial,” said Victor Fernandez, one of the lawyers for the family of Berta Caceres.

For its part, COPINH and the family emphasized the need for justice, but with due regard for the process (see press release here). “We want and have demanded justice, but not justice at any cost, nor in any which way. We have facilitated information and done more than we should have, but the State ha failed to provide the necessary guarantees of due process.”
Outside of the Supreme Court of Justice, while waiting for the trial to begin, a peaceful demonstration was held  by women representing indigenous organizations together with organized members of COPINH to demand justice for Berta and the Lenca People. The solidarity action, in support of the family and the victims of Berta’s murder, was interrupted by people identified as being close to DESA, the company behind the Agua Zarca hydroelectric project that Berta worked tireless to stop before her murder. They disrupted the peaceful gathering with signs demanding the freedom of Sergio Rodriguez, who worked for DESA and who is one of the accused of Berta’s murder. Leaders of OFRANEH (The Black Fraternal Organization of Honduras) and COPINH managed to control the provocation, while State police looked on.

Despite the Tribunal having 24 hours to hand over the motion for recusal to the Francisco Morazan Criminal Appellate Court, they did not do so until September 19. According to the criminal court procedures, the Court now has 24 hours to produce a report regarding the recusal after which time the Appellate Court will have to decide whether or not to accept the motion to disqualify the judges of the Tribunal.  If it is accepted, a new Tribunal will have be named to proceed over the trial with a new start date. On the contrary, the current Tribunal will continue.

 

Fuente: COPINH

 

FIRMA LA PETICIÓN >Exigimos un juicio justo para Berta Cáceres y el COPINH

El Estado hondureño tiene el deber y la oportunidad de mostrar al mundo a través de este proceso judicial que es posible luchar contra la impunidad. Llamamos a que en este juicio se permita esclarecer, no solamente los hechos del 2 de marzo, sino todos los antecedentes y el contexto en el que se produce este crimen contra Berta Cáceres, la coordinadora general del COPINH y lideresa del pueblo indígena Lenca.

Los abajo firmantes hemos dado seguimiento del caso del asesinato de Berta Cáceres y de Gustavo Castro en tentativa de homicidio desde el día 2 de marzo de 2016. Nunca habían estado los reflectores de todo el mundo atentos a un acontecimiento como éste. Honduras ha estado en la lupa de la comunidad internacional y ha observado la cantidad impresionante de violaciones a los derechos de las víctimas durante el proceso así como violaciones a sus mismas regulaciones procesales.

Ha sido evidente cómo la conducción de la fiscalía integrada por los fiscales Ingrid Figueroa, Melissa Aguilar, Javier Núñez, David Salgado, Roger Matus, Roberto Blen, bajo la dirección del Fiscal General, Oscar Chinchilla, ha significado, de mala fe e incluso dolo, la obstaculización del proceso judicial, al evitar la realización de peritajes, entorpecer el debido proceso, ocultar información, operar con negligencia en las investigaciones, imposibilitar el análisis de pruebas y peritajes, así como evitar a toda costa el análisis de pruebas de los allanamientos que implican a la empresa DESA y la familia Atala.

Una y otra vez el Ministerio Público se ha negado a presentar la información y los peritajes fundamentales para el proceso de búsqueda de la verdad, ha sido la regla de su actuación y esto merece una corrección ejemplar.

El gobierno hondureño se negó a la creación de una Comisión Independiente que garantizara una adecuada investigación para la procuración de justicia, y ahora se ven las consecuencias de ello.

Por otro lado, los jueces del Tribunal de Sentencia responsables de la resolución de este primer proceso judicial, Esther Carolina Flores, José Anaím Orellana y Delia Lizeth Villatoro, han negado que el COPINH sea reconocido como víctima cuando es obvio que el actor fundamental como defensor de los Derechos Humanos es el colectivo indígena; además no han admitido la propuesta de testigos claves que den fe de la actuación de empleados de DESA frente al crimen y se niega a la transmisión en vivo de las audiencias y del juicio. Nos preguntamos, ¿quiénes son los beneficiados de que no se conozca y evidencie en el juicio el contexto del crimen de Berta?

Nos preocupa además, el trato discriminatorio y racista por parte de las autoridades de la Corte Suprema de Justicia contra los miembros del COPINH que claman justicia y que ejercen su derecho a la verdad al presentarse a observar las audiencias y ser maltratados por su proveniencia. La observancia de las garantías para que el pueblo Lenca representado por el COPINH participe del juicio debe ser una prioridad entendiendo la trascendencia de este proceso.

El gobierno hondureño se negó a la creación de una Comisión Independiente que garantizara una adecuada investigación para la procuración de justicia, y ahora se ven las consecuencias de ello.

El Estado hondureño tiene el deber y la oportunidad de mostrar al mundo a través de este proceso judicial que es posible luchar contra la impunidad. Que en Honduras existe el Estado de Derecho y un Poder Judicial autónomo sin intereses más que la procuración de justicia, verdad y la garantía por los Derechos Humanos, por eso llamamos a que en este juicio se permita esclarecer, no solamente los hechos del 2 de marzo, sino todos los antecedentes y el contexto en el que se produce este crimen contra Berta Cáceres, la coordinadora general del COPINH y lideresa del pueblo indígena Lenca. Esperamos que cumplan con ese deber y abonen a saldar la deuda con las víctimas de este condenable crimen.

Atentamente,

CLICK AQUI PARA FIRMAR

 

Fuente: COPINH

PACS: Nas eleições de 2018, exigimos justiça social e ambiental para Santa Cruz

Moradores/as do bairro da Zona Oeste do Rio de Janeiro, cobram de candidatos ao legislativo, combate às violações de direitos da Ternium Brasil, maior siderúrgica da América Latina

Ao longo 13 anos de atuação marcados por violações de direitos e impactos sociais e ambientais, a siderúrgica Ternium Brasil, antiga ThyssenKrupp Companhia Siderúrgica do Atlântico, tem uma trajetória que atinge direta e negativamente a população e o território de Santa Cruz, na zona oeste do Rio de Janeiro. Além de afetar a saúde, o meio-ambiente e os espaços de trabalho dos moradores e moradoras da região, a empresa já foi denunciada diversas vezes por conta das condições de perigo a que expõe os seus funcionários.

Em 2017, o grupo ThyssenKrupp anunciou a venda da siderúrgica para a Ternium sem dá resposta alguma às denúncias de piora na saúde, alagamento das casas, índices altíssimos de poluição atmosférica, interrupção da pesca, uso de vultosas isenções públicas, dentre outras.

A siderúrgica Ternium Brasil, antiga Companhia Siderúrgica do Atlântico, a maior da América Latina

Com o intuito de pautar o debate em torno das violações geradas pela atuação da Ternium Brasil na zona oeste, moradoras e moradores de Santa Cruz elaboraram uma carta pública com reivindicações e denúncias sobre o caso destinada aos candidatos e candidatas ao Governo do Estado e aos cargos de Senadores, Deputados Federais e Estaduais pelo estado do Rio de Janeiro. Algumas exigências apresentadas são a necessidade de suspensão da licença ambiental de operação da empresa, além da devolução dos incentivos fiscais concedidos à sua operação e atuação no território.

Confira a carta na íntegra:

“Rio de Janeiro, setembro, 2018
Ao atual e futuro(a) Governador(a) do Estado do Rio de Janeiro,
Aos/As atuais e futuros(as) Senadores(a),
Aos/As atuais e futuros(as) Deputados(as) Federais,
Aos/As atuais e futuros(as) Deputados(as) Estaduais,
Nós, moradores(as), pescadores(as), juventude de Santa Cruz (especialmente da Reta da Avenida João XXIII), junto ao Instituto PACS, apontamos abaixo nossas reivindicações ao poder público seguidas de uma síntese das denúncias frente as violações de direitos, as ilegalidades e as lutas existentes contra a operação da Companhia Siderúrgica do Atlântico, antiga TKCSA, e atual Ternium Brasil, em Santa Cruz, zona oeste do Rio de Janeiro.
A CSA/Ternium Brasil é a maior siderúrgica da América Latina e, ao longo de 13 anos de funcionamento, sua trajetória tem sido marcada pela violação de direitos trabalhistas; pela prática de intimidação, cooptação e criminalização de lideranças e pesquisadores/as que são críticos ao empreendimento; e pela produção de impactos negativos ao meio ambiente e à saúde de homens, mulheres e crianças que vivem no bairro de Santa Cruz. A empresa é alvo de diversas denúncias dos moradores e moradoras junto à Defensoria Pública do Estado, totalizando atualmente 238 ações, onde são apontados os impactos ocasionados pela linha férrea, por doenças relacionadas à emissão do material particulado na atmosfera e pelo alagamento do conjunto habitacional de São Fernando, decorrentes da terraplanagem realizada pela empresa na fase de instalação do empreendimento.
Não custa lembrar que durante seis anos (2010 a 2016) a empresa funcionou sem licença de operação, e que a mesma é objeto de duas ações penais movidas pelo Ministério Público Federal por crimes ambientais. Não obstante todas as violações, irregularidades e crimes cometidos pela empresa, todos já relatados em Audiências Públicas e investigadas por Comissões, a empresa segue contando com pesadas isenções fiscais (estaduais) e benefícios municipais, além de vultosos financiamentos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).
Diante desse quadro grave acima relatado, reivindicamos:
1. Suspensão da licença ambiental de operação da empresa, por parte do órgão ambiental responsável, tendo em vista que a mesma continua a poluir o ar e a provocar inúmeros mal estares e doenças aos moradores vizinhos ao empreendimento. É necessário que seja realizado um estudo aprofundado e independente sobre a quantidade e a natureza das substâncias que são desejadas no ar diariamente pela empresa
2. Adequação e especialização de todas as instituições públicas de saúde locais tendo em vista o tratamento e a prevenção de doenças e os tratamentos relacionados com siderurgia e poluição atmosférica, de modo a proporcionar um atendimento médico especializado com rapidez, conforme previa a implantação de uma unidade sentinela de saúde no Termo de Ajuste de Conduta, assinado em 2012.
3. Exigimos que a empresa compense pescadores e moradores vizinhos às suas instalações por todos os danos e violações de direitos cometidos desde o período de sua instalação os quais são objetos de reivindicação na justiça pela Defensoria Pública e por ações individuais.
4. Suspensão e devolução imediata de todos os incentivos fiscais concedidos à operação da CSA/Ternium Brasil no Estado do Rio de Janeiro sob o fundamento de reiterado descumprimento da legislação brasileira, como apontam diversos laudos, estudos, pareceres técnicos do Ministério Público, Defensoria, movimentos sociais e entidades civis organizadas. É inadmissível que em pelo regime de recuperação fiscal, ao qual o estado do Rio de Janeiro está submetido, a CSA/Ternium Brasil receba regalias financeiras enquanto a população fluminense paga a conta;
5. Rescisão imediata e devolução integral dos contratos de financiamento para o complexo siderúrgico negociados junto ao BNDES sob o fundamento não apenas da violação da legislação em vigor, mas também por haver operado de 2012 a 2016 sem a devida Licença de Operação – em discordância aos critérios definidos nos respectivos contratos;
6. Que sejam revistas e atualizadas todas as Zonas de Exclusão de Pesca da Baía de Sepetiba já que estas têm ocasionado graves impactos às economias familiares de pescadores e pescadoras que vivem das águas e dos peixes há mais de 30 anos. O Direito a Pesca é condição fundamental para a reprodução da vida local;
7. Suspensão imediata das outorgas de uso da água e do respectivo Cadastro Nacional dos Recursos Hídricos, por parte do Instituto Estadual do Ambiente (Inea). Exigimos que seja cumprido o que a Política Nacional de Recursos Hídricos (Lei n° 9.433/1997) afirma em seu Art. 1°, inciso III, que “em situação de escassez, o uso prioritário dos recursos hídricos é o consumo humano e a dessedentação animal”. Da mesma forma o Art. 15 define que “a outorga de direito de uso de recursos hídricos poderá ser suspensa parcial ou totalmente, em definitivo ou por prazo determinado”, se houver a “necessidade de se atender a usos prioritários, de interesse coletivo, para os quais não se disponha de fontes alternativas” (inciso V);
Até quando os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário serão coniventes com as múltiplas violações de direitos humanos e impactos socioambientais aqui mencionados? Até quando vidas serão descartadas para que nossas terras, águas e florestas sejam transformadas em mercadorias para serem comercializadas no mercado externo? Até quando financiaremos com recursos públicos empreendimentos que matam? Nós dizemos chega! Nossas peles coçam, nossos olhos ardem e nossa respiração está pior, pois aqui chove prata! Nossas casas alagam! Nossas paredes estão rachadas e nossos ouvidos não aguentam mais quando o trem passa! Nossos peixes morreram! Nós estamos adoecendo, mas seguiremos na resistência!
É pelo descaso, pela irresponsabilidade, pelo abandono e pela violência ocasionada pela CSA/Ternium Brasil com o apoio do Governo do Estado do Rio de Janeiro, que apresentamos aos candidatos a reeleição e eleição estas reivindicações.
Resgate das violações da CSA/Ternium e das denúncias realizadas:
– No plano internacional a CSA/Ternium Brasil já foi denunciada no Parlamento alemão (junho de 2008, janeiro de 2010, abril de 2013) e europeu;
– No Senado Federal, a CSA/Ternium Brasil também foi objeto de uma audiência pública realizada pela Subcomissão Permanente de Trabalho e Previdência, que funciona no âmbito da Comissão de Assuntos Sociais, para apurar a contratação de trabalhadores chineses.
– No âmbito estadual, a empresa já foi objeto de investigação de uma comissão da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (ALERJ) para apurar “irregularidades e omissões do Governo do Estado e do Instituto Estadual do Ambiente (INEA)”.
– A empresa foi objeto de duas Audiências Públicas na Comissão de Direitos Humanos e Cidadania da ALERJ. Além disso, a empresa acumula mais de R$14 milhões de multas aplicadas pelo INEA;
– No município do Rio de Janeiro também foi realizada uma Audiência Pública na Câmara dos Vereadores para tratar dos impactos socioambientais da CSA/Ternium Brasil;
VIOLAÇÃO DE DIREITOS TRABALHISTAS
– Houve Embargo da obra, em maio de 2008, pelo Superintendente Regional do Trabalho e Emprego do Estado do Rio de Janeiro, devido à existência de graves e iminentes riscos potencialmente ocasionados pela inadequação da legislação à segurança e a medicina do trabalho;
– Em Agosto de 2008, o Ministério Público do Trabalho protocolou uma ação civil pública contra a CSA/Ternium Brasil pela exploração de mão-de-obra chinesa não especializada e pelo desrespeito a então legislação trabalhista;
– Um ano depois, em agosto de 2009, a CSA/Ternium Brasil foi denunciada pelas condições degradantes de trabalho, aonde os trabalhadores chegaram e ficar dois meses sem salário, dormiam em alojamentos sem camas, não tinham acesso à água e recebiam apenas uma refeição por dia;
IMPACTOS AMBIENTAIS
– O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA), em 2007, embargou a licença de instalação uma vez que foram suprimidos 4 hectares de mangue, o dobro da área licenciada para a construção de uma ponte;
– Em junho de 2011, o Ministério Público Estadual (MPE) denunciou pela segunda vez a CSA/Ternium Brasil por crime ambiental, onde o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO) afirmou que não houve as medidas de precaução necessárias para o funcionamento dos alto-fornos e nem sequer foram comunicados aos órgãos ambientais os impactos ocasionados.
– Em janeiro de 2013 a Prefeitura do Rio de Janeiro ordenou a interdição da CSA/Ternium Brasil devido à falta de licenciamento do funcionamento do estabelecimento, através da diretoria de fiscalização da Secretaria Especial de Ordem Pública;
– Em dezembro de 2016, o MP-RJ, por meio do Grupo de Atuação Especializada em Meio Ambiente (GAEMA), ajuizou uma ação civil pública de improbidade administrativa contra o ex-governador Sérgio Cabral, (preso e condenado a 100 anos de prisão), o então secretário de Estado da Casa Civil Athur Bastos, a então secretária de Meio Ambiente Marilene Ramos e a CSA/Ternium Brasil por terem autorizado ilegalmente o funcionamento do alto-forno 2, em dezembro de 2010, com o propósito de beneficiar a empresa. Após a recusa do INEA em permitir o funcionamento do alto-forno 2, o ex-governador e seus secretários autorizaram, em menos de 24h, a operação indo contra o parecer técnico do órgão ambiental;
IMPACTOS TERRITORIAIS
– O funcionamento da CSA/Ternium Brasil aumentou em 76% a emissão de dióxido de carbono (CO2) no município do Rio de Janeiro. A materialidade destes impactos são sentidos nos corpos destes homens, mulheres e crianças.
– Após o funcionamento dos alto-fornos da siderurgia, em junho de 2010, ocorreram três Chuvas de Prata em Santa Cruz, afetando gravemente a população que reside no bairro de Santa Cruz. A população convive com uma poluição constante e tem relatado inúmeros casos de doenças respiratórias e problemas dermatológicos. A chuva de prata (microparticulados), agora bem mais fina, persiste na região do entorno da empresa dia e noite.
– A população atingida não encontra atendimento médico nas instituições públicas de saúde da região e, até o momento, a SEA e o INEA nada fizeram com relação aos danos à saúde causados pelos particulados emitidos pela CSA/Ternium Brasil;
– A SEA afirma, em relatório publicado em 2012, que o pó emitido é tóxico e contêm, além de Carbono e Ferro, elementos químicos como Zinco, Silício, Sódio Manganês, Cromo e Cádmio. Afirma ainda, que o pó pode causar asma, câncer de pulmão, problemas cardiovasculares, defeitos congênitos e
morte prematura, mas mesmo assim não apontou nexo causal entre a contaminação da atmosfera por parte da emissão de material particulado e as doenças respiratórias e dermatológicas;
– Em Março de 2008, dois pescadores foram atropelados por uma embarcação a serviço da CSA/Ternium Brasil no Canal São Francisco. Um deles foi gravemente ferido e internado e o outro desapareceu.
– A operação da CSA/Ternium Brasil e o aumento da circulação de embarcações na Baia de Sepetiba têm ocasionado à diminuição de peixes, diminuindo drasticamente a renda de pescadoras e pescadores.
FINANCIAMENTO PÚBLICO
– No plano federal, a CSA/Ternium Brasil é beneficiada pela isenção do IPI, ICMS, PIS e Cofins. Não obstante, estas isenções fiscais geram créditos que permitem o abatimento de outros impostos, como o IRPJ e a CSLL. No plano estadual, através da Lei nº 4.529/2005 a CSA/Ternium Brasil obteve acesso aos recursos do Fundes e do deferimento do ICMS. No plano municipal, através das leis nº 4.372/2006 e nº 5.133/2009 a CSA/Ternium Brasil é beneficiada pela isenção ou redução da alíquota do ISS;
– Sem o acesso ao conjunto das informações fiscais e tributárias da empresa, os valores relativos a todas as isenções fiscais chegam a R$2,5 bilhões. Quando somados os dois empréstimos do BNDES destinados a CSA/Ternium Brasil, equivalente a R$2,3 bilhões, o total de recursos públicos investidos na empresa é da ordem de R$5 bilhões;

 

Fuente: PACS

COPINH: Familia de Berta Cáceres y COPINH interpone recusación a tribunal de sentencia del caso. (Español/English)

El día de hoy nos presentamos la familia de Berta Cáceres, los miembros y miembras de su organización, el COPINH, junto al equipo legal del MADJ a plantear nuestra postura frente al inicio del primer del juicio oral y público por el vil asesinato del 2 de marzo de 2016.

Desde los aciagos días de marzo de 2016, en los que supimos que manos criminales nos arrebataron la vida de nuestra querida Berta, hemos denunciado que esta muerte no ha sido un hecho fortuito sino el resultado de una amplia serie de crímenes contra su persona y el COPINH por su labor de resistencia en contra de la imposición del proyecto hidroeléctrico Agua Zarca.

A lo largo de estos 2 años y medio de lucha nos hemos enfrentado a la tarea de buscar la justicia en medio de las circunstancias más adversas y aún así hemos podido develar la existencia de una estructura criminal detrás de esta muerte.

Una estructura que persiste en la actualidad y que se muestra activa en los ataques contra el COPINH con la incorporación del bufete Amsterdam & Partners mediante su campaña de difamación y estigmatización contra el COPINH y la causa de Berta Cáceres.

Nosotros y nosotras queremos y hemos exigido que se haga justicia, pero no justicia a toda costa, ni de cualquier manera. Hemos facilitado y hecho más de lo que deberíamos pero el Estado ha fallado en brindar las garantías de un debido proceso.

En estos hechos, el tribunal de sentencia que conoce el caso ha fallado en garantizar nuestros derechos como víctimas e incluso los derechos de los imputados, demostrando una parcialidad constitutiva de delito, por el encubrimiento del Ministerio Público en el ocultamiento de información y por consiguiente de la verdad.

Por lo tanto, en este momento, a través de nuestros representantes legales del MADJ hemos interpuesto una acción de recusación contra el tribunal de sentencia de la sala primera, lo que significa que rechazamos su accionar y su aptitud para conocer de este caso y solicitamos que sean reemplazados por un tribunal que garantice las condiciones para encontrar justicia en este proceso.

Asumimos la tarea de búsqueda de justicia no solamente con el ánimo de encontrar justicia para el caso del vil crimen contra Berta Cáceres, sino entendiéndolo como la oportunidad de brindar al pueblo hondureño la reivindicación de la justicia con la verdad. Como la oportunidad de enfrentar y desmontar las estructuras que continúan actuando en contra de las comunidades hondureñas y el Estado de Derecho.

Exigimos justicia, pero no a toda costa ni de cualquier manera.

Dado en la ciudad de Tegucigalpa a los 17 días del mes de septiembre de 2018

VIDEO de la CONFERENCIA de PRENSA



Today, as the first trial for the horrendous murder on March 2, 2016 is set to start, we, the family of Berta Caceres, members of her organization – COPINH – and our legal team from the Broad Movement for Dignity and Justice (MADJ), come together to share our position.

Since the tragic day of March 2 2016, when we learned that criminal hands had taken the life of our beloved Berta, we have denounced that this death was not a fortuitous event but the result of a series of crimes against her and COPINH for its resistance work against the imposition of the Agua Zarca hydroelectric project.

Despite the severely adverse circumstances we have faced in our struggle for justice for the past two and half years, we have been able to reveal the existence of a criminal structure behind the murder.

This is a structure that still exists today, active in its attacks of COPINH with the incorporation of the Amterdam and Partners Law Firm and its defamation and stigmatization campaign against COPINH and the Berta Caceres Cause.

We want – and have demanded – justice. But not justice at any cost, in any which way. We have done everything possible, more than necessary as victims, but the State has failed to ensure the guarantees of due process.

The three judge panel responsible for this case has failed to guarantee our rights as victims and even the rights of the accused by allowing the Public Prosecutor to conceal information, and as a consequence, the truth, showing partiality constitutive of a crime.

As we speak, through our legal representatives of MADJ, we are filing an action to disqualify the judges of the Trial Court  (Courtroom 1). We reject their actions and aptitud to hear the case and ask that they be replaced by a Court that will guarantee the conditions to find justice in this process.

We are seeking justice not only for the brutal crime against Berta Caceres, but as an opportunity for the Honduran People to vindicate justice with truth. As an opportunity to confront and dismantle the structure that continues to work against Honduran communities and the Rule of Law.

We demand justice, but not at any cost and not in which way.

Tegucigalpa, September 17, 2018.

 

Fuente: COPINH

ACCION ECOLOGICA: [FORO] Salud y Pueblos Indígenas

Jean Langdon ha investigado sobre la salud indígena y las políticas de salud en seis países de América Latina (Argentina, Brasil, Chile, Colombia, México y Venezuela), promoviendo una discusión crítica sobre la formulación y la práctica de esas políticas en contextos nacionales y etnográficos distintos. A pesar de que en estos países se han implementando políticas y programas de salud en nombre de la diversidad o interculturalidad, existen contradicciones y desafíos que todavía son necesarios resolver para el ejercicio pleno de los derechos de los pueblos indígenas.

41801855 707383956278031 4725295209145958400 n

Dentro de este campo, Jean ha promovido investigaciones para identificar los diálogos posibles entre la antropología – y las ciencias sociales en general – con la salud colectiva, y cuáles serían sus aportes para la formulación y ejecución de políticas públicas en salud indígena.

Milagros Aguirre, Periodista, Editora de Abya Yala y Autora de la investigación “Límites de la Salud Intercultural. Estudio de Caso en la Provincia de Orellana” (2016) entrevistará a Jean para facilitar este diálogo y ubicar el análisis en el contexto Ecuatoriano.

El Conversatorio está dirigido a: profesores, investigadores, estudiantes universitarios y de post-grado, organizaciones sociales e instituciones públicas, relacionados con las áreas de ciencias sociales – sociología, antropología, geografía, ecología; áreas de salud colectiva, pública e intercultural.

 

Fuente: Accion Ecologica